O que é anarquismo?

Esse artigo foi originalmente postado em 2010
1)Anarquia é bagunça?

 

“Tio, anarquismo não é baderna?”

Bom, na verdade, anarquismo é a corrente de pensamento mais mal explicada da história. Sua origem vem do grego Anarcho que significa “sem governo” e pode tanto batizar movimentos que  queiram eliminar o poder do estado, quanto uma situação ruim em que se fica sem governo. O termo foi usado pejorativamente na época da Revolução Francesa para criticar os mais radicais. Foi em 1840, que o filósofo libertário Joseph-Pierre Proudhon aceitou o “apelido” e o transformou em doutrina. Seu livro “O que é a propriedade?” não hesitava: “A propriedade é roubo”.

2) Anarquismo é comunismo?

 



“Ah, entendi,” – pensa você – “anarquismo é, então, um tipo de cumunismo(sic)?”

Um primo distante nas linhas de pensamento de esquerda, talvez, mas não uma filosofia marxista. Aliás, Bakunim (um dos pensadores anarquistas) rompeu com Marx (pai do comunismo) logo na época da Primeira Internacional, no século XIX. A grande diferença entre os dois é que os comunistas acreditam que antes de todos serem livres de governo precisamos de uma ditadura do proletariado. O problema é que poder vicia tanto quanto pó e jogo de bingo. Então, todas as revoluções que se autoproclamaram comunistas(Cuba, URSS, China, etc.) pararam na fase da ditadura do proletariado e nunca aboliram realmente o estado. Os anarquistas abominam qualquer tipo de governo, mesmo o do proletariado. Como dizia nosso amigo Proudhon: “Quem quer que coloque a mão sobre mim para governar-me é um usurpador e um tirano – eu o declaro meu inimigo”.


3) Anarquia é utopia?
Milicianas na Revolução Espanhola, 1936


“Anarquia é utopia, faça uma todo dia”, gritava a banda punk gaúcha Replicantes. Você pergunta: alguém já colocou o anarquismo na prática ou isso é tudo um grande sonho?

A resposta é: sim, mas por pouco tempo. Na época da Revolução Russa, o exército negro instalou uma organização anarquista na Ucrânia, também conhecido como movimento makhnovista. Depois de vencerem as forças conservadoras, foram massacrados pelas tropas comunistas de Trótski. Na época da Revolução Espanhola (1936-1939), forças anarquistas organizaram as regiões da Catalunha e Aragão, mas foram traídas pelos comunistas de orientação stalinista e vencidas pelas tropas facistas de Franco. Fazendas, comunidades e cidades de organização coletiva e autogeridas já foram criadas em diversos cantos do mundo, inclusive no Brasil.

Por aqui, o anarquismo foi a corrente mais forte entre os sindicalistas nas duas primeiras décadas do século XX, espalhado por imigrantes espanhóis e italianos. Eram os anarquistas os responsáveis pelas primeiras greves em São Paulo. Um anarquista que ficou famoso no Brasil foi o jornalista e tipógrafo Edgard Leuenroth (1881-1968).

 

4) Anarquismo é coisa de velho?
A banda Crass

Kroprotkin, Malatesta, Tolstoi, Max Stirner… Todos nomes que parecem cobertos de pó para o jovem moleque dos anos 2010. Mas o fascínio pela bandeira negra e o A de anarquia continuou vivo nos últimos anos. Renasceu junto com os punks nos anos 70, primeiro como piada marqueteira dos Sex Pistols, e depois levado a sério por bandas com o Crass e o movimento hardcore dos anos 80. Voltou à tona com a geração rebelde pós-muro de Berlim: deu as caras em blogs, coletivos e “Fóruns Sociais Mundiais” da vida. Influenciou até o lado negro da força, que criou o anarcocapitalismo, mais próximo das tradições liberais que do anarquismo clássico. E continua confundindo cabeças, inspirando sonhadores e servindo como uma opção num mundo onde a briga “capitalismo VS comunismo” parece ter perdido o sentido.

Veja também:
-A censura invisível que cala os jornalistas brasileiros

-ELZN e o Zapatismo

-Conheça o punk anarquista da banda Crass

PARA SABER MAIS

Livros
“História das ideias e movimentos anarquistas”, George Woodcock
“O que é comunismo?”, Caio Túlio Costa
“O anarquismo e a democracia burguesa”, vários
“O movimento anarquista em São Paulo(1906-1917)”, Sílvia Ingrid Lang Magnani

Filmes
“Terra e Liberdade”, Ken Loach
“Libertarias”, Vicente Aranda

Cena do filme "Libertarias"

Como ficam a mídia e os jornalistas diante dos protestos no Brasil?

Dizia uma velha propaganda eleitoral: “eu tenho medo”. Eu também tenho medo: medo de perder o emprego. Isso mesmo, devo confessar minha covardia; toda vez que vejo explodirem protestos contra injustiças eu penso duas vezes para fazer comentários que possam comprometer meu emprego. Toda vez que a maior revista do Brasil escreve uma matéria distorcendo fatos, trocando notícias por opiniões e carregando em adjetivos preconceituosos eu me sinto amordaçado e não comento nada. Justo eu que sempre inventei fanzines, jornaizinhos e programas de rádio para dizer o que penso livremente. Mas, e agora, se eu falar o que penso poderei ser demitido?

Bom, nós temos “cumprido nosso dever” como jornalistas. Nossos chefes mandaram repórteres e fotógrafos para cobrir os protestos contra o aumento da passagem de ônibus. As notícias que me chegam são que um fotógrafo ficou cego e uma jornalista foi gravemente ferida pela truculência da Policia Militar (acostumada a espancar, matar e torturar rotineiramente nas periferias do estado). Um fotógrafo e uma jornalista que estavam TRABALHANDO. Cumprindo as ordens dos seus chefes. E o que nós recebemos em troca pelo sacrifício? Editoriais, colunas e blogs elogiando a violência sem sentido da PM que cega. E não podemos nem comentar em nossos Facebooks e Twitters pessoais por que temos medo de perder o emprego?

É engraçado porque, na faculdade, muitos dos meus colegas – de esquerda e de direita – escolheram a profissão porque achavam que podiam ajudar a mudar o Brasil. Podiam denunciar a corrupção, a violência e dar voz às grandes histórias que mereciam ser contadas. E a gente acusava os estudantes de engenharia de serem alienados. Mas agora os engenheiros constroem pontes e nós construímos o quê?

Então, no final, nós jornalistas somos como a PM? Cumprimos as ordens que servem para manter a ordem e voltamos para casa felizes por receber os nossos salários que nos permitem tomar uma cerveja importada, uma viagem pro exterior ou um iPhone novo? Somos a polícia militar do pensamento contando as mesmas histórias sempre sobre vândalos e bárbaros que querem destruir a ordem e o progresso? Bem, nós não concordamos com as próprias notícias que publicamos, claro, mas não temos direito de escrever as verdades que apuramos. Escrevemos o que nos pagam pra escrever? Afinal, temos que manter nossos empregos… No entanto, por mais dóceis que tenhamos sido (mais ponderados e obedientes ), nós estamos perdendo os empregos aos montes. Na Folha, no Estado, no Valor Econômico, na Abril, na Caros Amigos, na Trip… Quando a situação aperta jornalistas se tornam descartáveis. Um ponto a mais nas folhas de gastos como papel, luz ou aluguel. Agora não temos emprego nem dignidade dos tempos de faculdade.

E do outro lado?

Eles têm balas de borracha que nos cegam, gás de pimenta que nos sufocam, os maiores jornais e revistas do Brasil, todos reportando um só lado da história. Eu tenho essas simples e sinceras palavras. A dignidade que me resta me impede de continuar escondendo-as na garganta.

E você?

Como Margaret Thatcher matou o punk

Interessante o artigo publicado hoje (08/04) sobre a dama de ferro (que acaba de bater as botas) e a cena cultural londrina. Um trecho bacana:

“Antes de Thatcher, era comum haver grupos de punk e de artistas de vanguarda de classes mais baixas. Ela pôs fim a isso. No sistema capitalista e individualista que implementou, a arte tinha de dar dinheiro.” Para a jornalista, o brit-pop e a gêneros mais comerciais, como a acid house, viraram coisa de classe média ou alta e os jovens com menos recursos foram alijados do cenário.

“Se formos ver com os olhos de hoje, o punk foi um gênero que atingiu diretamente muito pouca gente em números absolutos. Depois dele viriam essas raves para multidões, o pop comercial”, explica. Para ela, Thatcher acabou com o espaço para manifestações mais alternativas. “O mal que ela fez está aí até hoje e deve perdurar por muito tempo”, conclui.


Leia a íntegra aqui

Geraldo Vandré (autor de “Pra dizer que não falei de flores”) dá entrevista dizendo que nunca foi militante político

Essa entrevista é velha, e Geraldo Vandré não é extamente punk nem brega, mas achei interessante que o cara que ficou marcado como um dos mais engajados da época da ditadura está hoje fazendo música pra Aeronáutica. Ele também nega que era militante e que tenha sido exilado. Se você gosta de música brasileira, vale a pena assistir.

Geraldo Vandré quebra o silêncio em entrevista… por felipegolke

-Mais música brasileira
-Jorge Mautner vs Paulo Leminski

 

O "velho" Vandré

Políticas mais gatas – Top 5

Punk Brega volta de férias, e toda sexta-feira você acha aqui os vídeos mais escrotinhos da internet

Com guerra de bexiga d’água e bolinha de fita crepe rolando, a gente tenta avacalhar os políticos, mas eles conseguem se superar…

Pros preguiçosos que não quiserem assistir o vídeo:

5) Maria do Rosário
4)Dra. Havanir
3)Verônica Costa
2)Aline Correa
1)Manuela D´Avilla

Qual é o candidato a presidente mais feio de 2010?

Cidadão, chegou a hora de você exercer seus direitos bem-humorados! Participe da anárquica eleição do candidato mais feio de 2010 e concorra à nada! Seu voto deve ser depositado no link de comentários abaixo do post.

Seguindo as normas do TRE, gostaríamos de salientar que também concorrem à presidência os candidatos Ivan Pinheiro (PCB), José Maria Eymael (PSDC), Levy Fidélix (PRTB), Rui Pimenta (PCO) e Zé Maria (PSTU). No entanto, nenhum deles atendeu aos requisitos mínimos de feiúra para constar em nosso embate democrático.

ATENÇÃO: Uso de Photoshop e plásticas para deformar mais os candidatos são proibidos! Aqui só entra a feiúra legítima, democrática e cívica.

Dilma Russef

Marina Silva

Plínio de Arruda Sampaio

José Serra

>Suplicy mostra cartão vermelho para Sarney

>Não gosto muito de comentar sobre política aqui neste espaço. Aliás, ando sem gostar de comentar política ultimamente. Pulo o caderno de “Brasil” dos jornais, que em minha adolescência lia com toda voracidade. Talvez esteja deixando a sujeira se acumular embaixo do tapete. Talvez seja só uma fase. Mas o Suplicy é um dos poucos políticos que ainda me dá vontade de comentar sobre política.

Esse lance do cartão vermelho pode ser uma bobagem. Mas a intenção dele de detonar o Sarney indo contra as ordens do Lula, eu acho foda.

Voltamos amanhã com nossa programação normal.

>Reinaldo Azevedo na Desciclopédia: É engraçado, pelo menos eu acho.

>
Tudo começou porque fui passar o blog do projeto secreto do Denis Russo(Ex-redator chefe da Superinteressante) para um amigo. Lá estava a notícia de que ele agora tem um blog na Veja. E passando pelo site da Veja é claro que eu não podia deixar de dar uma lidinha no “polêmico” blog do Reinaldo Azevedo.

O mais engraçado é que pesquisando um pouco da história do cara, eu achei esse link da Deciclopéida e comecei a ter ataques de risos sozinho no trabalho.

O lado ruim da piada, é que acho que exageraram em comentários do tipo “ele é chato e gay”. Desde quando ser gay é um problema?

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...