10 músicas clássicos do hardcore melódico brasileiro

O Dead Fish em show em 2007

Inspirado pelo documentário “Do underground ao emo” – que conta a história do hardcore melódico nacional – eu resolvi organizar essa lista com 10 das maiores músicas do hc melódico nacional, focando principalmente nas bandas dos anos 90/2000. Exclui daqui as bandas emo e coloridas, que pertencem a outro capítulo da história do rock brasileiro. Também procurei focar em bandas da “cena”, por isso não inclui músicas de hardcore melódico de bandas que não “eram” de hardcore melódico (como “Mulher de Fases” dos Raimundos, que abriu caminho pro CPM22 ou músicas de Detonautas e do primeiro disco do Los Hermanos).

Chega de papo e vamos aos clássicos:

1) “Red Rose Bouquet” – Street Bulldogs

2)”Noite” – Dead Fish

3) “Regina Let’s Go” – CPM 22

4) “Embedded Needs” – Garage Fuzz

5) “1997” – Hateen

6) “Quando tocar na TV” – Cueio Limão

7) “Vinteum” – Fistt

8)”Orgânico” – Noção de Nada

9) “Revolução” – Sugar Kane

10)”Se essas paredes falassem ” – Dance of Days

Veja também:

-Assista ao documentário “Do underground ao Emo”

-Entrevista com João Gordo, do Ratos de Porão

“Red Rose Bouquet” – Street Bulldogs

street-bulldogs-red-rose-bouquet

A cena independente brasileira sofre de Alzheimer. E é triste como ver seus avós esquecerem da família. A quantidade de informação sobre nosso underground na internet é pouca: vários blogs falando do atual sucesso de 15 minutos e raros fragmentos de história das bandas que já acabaram e tiveram alguma relevância.

Estava lembrando hoje do Street Bulldogs. A banda de hardcore melódico foi fundada em Pindamonhangaba (!!!), em 1994. Depois de ser reformulada em 1998 pelo seu vocalista e líder, Leonardo Kobbaz, eles estouraram na Mtv com a música “We Build Our Own Way”, usada numa vinheta do canal contra o preconceito aos portadores de HIV.

Em 2001, os caras lançaram um dos melhores discos da década, “Question Your Truth” com o hitzinho “Red Rose Bouquet” e também as ótimas “Tarde Demais”, “Remains Clear” e “Call Me At Home”. As guitarras eram trabalhadas em riffs melódicos, os refrões empolgantes e grudentos, as letras misturavam engajamento e lirismo. A arte do cd era impecável e, de bônus, você ganhava uma versão de Ramones e outra de Culture Club. É dessa época uma bela performance dos caras no programa Musikaos, da rede Cultura. A banda ainda lançou mais dois discos de estúdio – “Tornado Reaction” e “Unlucky Days” – antes de encerrar as atividades.

Veja também:
-Courtney Love nuazinha e com cara de má
-Vídeos rock ‘n’ roll
-6 discos para começar a ouvir jazz

Hardcore 90 – Uma História Oral

-Quer ler mais sobre punk rock?

Descobri, lendo o Zona Punk, um projeto de documentário bem legal que o Marcelo Fonseca está tocando. Trata-se de “Hardcore 90 – Uma história Oral”, que pretende contar a história do hardcore brasileiro nos anos 90(de 1989-2000). É segunda geração do punk tupiniquim, depois que Ratos de Porão e Cia abriram as portas pro estilo a coturnados nos anos 80.

Street Bulldogs - um dos destaques dos anos 90

 

Vivi um pouco dessa época quando estava começando a tocar(tive bandas punk entre 1999-2002, comecei a ouvir o estilo lá por 97). Lembro de baixar músicas do Blind Pigs e Gritos de Ódio na net, assistir um show do Mukeka di Rato em Bauru, e esperar ansioso que meu amigo Marcão trouxesse os últimos discos do Dead Fish, Street Buldogs e Gritando HC direto da Galeria do Rock, em São Paulo. Galeria que pra gente era a Dineylândia punk, o sonho de todo moleque roqueiro que se escondia no meio do mato.

Abaixo separei duas entrevistas feiras pelo Marcelo para o documentário. São de membros de duas bandas que, apesar de bem diferentes, eu ouvi bastante na época. Eles falam sobre os primeiros shows e a Verdurada

Túlio(DFC)

Leonardo Kobbaz (Street Buldogs)

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...