“Deve ter no estoque” – quadrinho escracha “nova direita brasileira”

Genial quadrinho do site “Dinâmica de Bruto“, do Bruno Maron, escracha os “novos conservadores” brasileiros. Em tempos de “Guia politicamente incorretos”, Veja e partido “Novo” é um alívio que alguém ache tanto pensamento reaça uó. Dica do designer e brother Gabriel Gianordoli.

Veja também:

“Os Malvados” sacaneia os colecionadores de livros

-Conheça a maior revista que o humor nacional pariu: “Chiclete com Banana”

 

Animação mistura quadrinhos, origami e filmes de western para contar a história do cowboy que queria matar a morte

A ideia original de Edson Oda era criar uma animação para o concurso de divulgação de “Django Livre”, novo filme do diretor Quentin Tarantino. Como “Malaria” era um projeto muito trabalhoso, Edson inscreveu “The Writer” na competição e acabou finalizando seu segundo projeto só agora há duas semanas.

Malaria from Edson Oda on Vimeo.

O resultado é uma mistura original de quadrinhos, stop motion, origami e filmes de western. Vale muito a pena assistir! Narrativa multimídia de primeira qualidade

Cachalote – Teaser animado da HQ de Daniel Galera e Rafael Coutinho

Teaser animado da fodástica HQ “Cachalote” de Rafael Coutinho e Daniel Galera. Foi o melhor quadrinho que li esse ano, vale muito a pena comprar!

Leia também:
-Chiclete com Banana: Angeli cria um hit underground dos quadrinhos
-Ódio:  Versão HQ do grunge
-Aline Crumb: musa com cérebro 

 

Daniel Lafayette – Novo Chefe

Quinta é o dia de postar trabalhos de novos artistas, vocês gostem ou não 😛

Ah, o mundo corporativo...

Daniel Lafayette é um dos artistas que colaborou com a sensacional HQ coletiva “Beleleu” (um dos quadrinhos que me fez mais rir na vida). Confira um pouco mais do trampo dele aqui

Veja também:
– Daniel Lafayette vê os colegas de trabalho.
-Chiclete com Banana: o clássico anárquico do Angeli
-Ódio:  Versão HQ do grunge
-Aline Crumb: musa com cérebro 

Milo Manara: Poeta pornógrafo dos quadrinhos eróticos

A mulher representa a estética em sua pureza. A mulher é a representação da beleza universal. Sempre que desenho uma mulher, estou desenhando um arquétipo. O arquétipo do belo, do desejo, do perverso, do pleno. Milo Manara.
Se essa resenha fosse feita pro Form Spring começaria assim:
Milo Manara é um poeta ou pornógrafo?
Sim, mulheres voluptosamente sensuais. Roteiros divertidos que colocam musas em situações fantásticas, atalhos para um mundo louco de prazer. Ou então, roteiros elaborados por parceiros talentosos como Jodorowsky (a sombria série histórica “Bórgia”), Hugo Pratt (“El Gaucho” e “Verão Índio”) e Federico Fellini (“Viagem a Tulum”). Tá, sem enrolação. Poeta ou pornógrafo? Milo Manara (nascido Maurilio Manara em 13/09/1945) é um artista que sempre teve seu trabalho ligado ao erotismo, desde o comecinho com “Genius” de 1969. É um poeta erótico, já que seu trabalho não é feito só pra excitar o leitor, mas pra contar uma história. (Que te excita do mesmo jeito,viu? :-P) Em entrevista para Rodrigo Fonseca , o artista explica “Eu busco o escândalo sem vulgaridade”. E ataca: “O uso vulgarizado do erotismo pela publicidade me escandaliza. Não consigo aceitar que o sexo possa ser utilizado para vender produtos. Isso é ultrajante.(…) Quando a propaganda segue estratégias narrativas calcadas no erótico, ela resvala no pornográfico. ”
Trechos do sombrio Bórgia – críticas à igreja e ao poder estão incluidas no pacote
Dizer que ele é um mestre da arte erótica é muito mais chato do que qualquer um de seus quadrinhos?
Qualquer análise intelectualóide da obra do italiano vai ser muito mais chata do que folhear um de seus belos álbuns. Para os virgens em Manara, recomenda-se além das obras citadas acima o clássico dividido em 4 partes “Clic” – história de uma espécie de controle remoto que manipula a desejo das mulheres. Para um Manara mais crítico, experimente “Revolução” ataque ao mundo das celebridades e do entretenimento televisivo.

Compre agora:
-Kama Sutra de Milo Manara
-Bórgia: a versão safada da história da família mais famosa da idade média

Baixe e leia:
– As Viagens de Tulum

 

 

 

 

 

 

 

 

X-Men by Manara                                                                Fellini por Manara

Um pouquinho mais de arte erótica:
-Duas HQ’s eróticas que as mulheres tê que ler
-Sexus: Sexo vira literatura de qualidade nas mãos de Henry Miller

-5 vilãs mais sexy da história
-Aline Crumb: musa com cérebro 

 

Chiclete com Banana – Angeli

Quase vinte anos depois o mundo dos quadrinhos não abortou outro feto tão engraçado.

Chiclete Com Banana N° 21 - 0001

Faltam quadrinhos nacionais nas bancas. Faltam boas revistas de humor também, se você tem mais de catorze anos e já não acha graça na MAD….Certa vez, numa palestra com o Fernado Gonzalez em Bauru, alguém propôs a ele fazer uma revista junto a outros cobras como Laerte e Angeli. Ele rodeou, rodeou, mas não conseguiu dar uma boa desculpa para não tocar o projeto. Por quê? Porque se alguma dia isso acontecesse seria um sucesso. Ou melhor, já foi.

Eram os anos oitenta e quadrinhos de massa no Brasil se restringiam a Turma da Mônica. Havia o punk, havia a “abertura política” e a cultura pop estava se espalhando pelo país. Fome e rock n’ roll. Em meio ao caos, uma trupe de novos chargistas vindos do quadrinho político (entre eles Angeli e Laerte) se depararam com a contra-cultura (pelas mãos de Glauco) e passaram a espalhar seus rabiscos pelo país. Angeli foi o primeiro a lançar-se em vôos independentes. Desenhando na Folha de S. Paulo desde os 17 anos, ele publicou livros com suas charges que foram sucesso. Foi o estalo para que seu editor, Toninho Mendes, o convidasse para um título regular nas bancas em 1985.

-Conheça “Ódio” a HQ da geração grunge
-Mais posts sobre quadrinhos

A “Chiclete com Banana”, bimestral, foi lançada pela editora Circo e era uma pérola de sarcasmo e bom humor. Tudo que a MAD brasileira fez depois estava lá, desde as tiras de uma página nas contra-capas às piadinhas com os preços passando pela sessão de cartas bem humoradas (ilustradas por desenhos toscos dos leitores) e pelos relatórios nonsense que o Ota copiou. Isso tudo pelas mãos de mais aplicado discípulo tupiniquim de Crumb: Arnaldo Angeli Filho.

A produção da Chiclete era tosca. Nada de pagemaker ou super equipes de arte, era tudo montado pelas mãos de Angeli num esquema que lembrava os fanzines de onde o próprio Angeli havia surgido (zine O Balão). No entanto, a primeira edição esgotou sua tiragem, que dobrou na segunda e na terceira novamente. A revista, que vinha com um selo de “aprovada no código de ética” para adultos, chegou à histórica marca de 110.000 exemplares, número nunca igualado por uma HQ independente no Brasil. As histórias recheadas de sexo, palavrões, drogas e violência podem não causar tanto arrepio hoje, mas na época eram um grito de subversão numa sociedade acorrentada por vinte anos de ditadura. O estilo underground da revista quebrava o padrão de humor brasileiro que não tinha nem nas tiras de Belmonte nem na turma do Pasquim um antecessor a altura da anarquia proposta por “Angel Villa”. Com o crescimento da cria de Angeli, novos colaboradores deram as caras: Paulo Caruso, Glauco Matoso, Hubert, Glauco e Laerte. Esses dois últimos criaram com Angeli uma das mais bem sucedidas tiras do Brasil: Los Três Amigos, que estrearam em uma “edição especial em duas colores e dublada em portunhol e espanhes” na Chiclete com Banana número 20!

Los Três Amigos eram alter-egos dos autores, cada um com características de seus criadores: Angel Villa era o conquistador de araque, Glauquito o doidão e Laerton el maricon. Maricon no, transformista! Como ele mesmo dizia. Os mariachis assassinos distribuíram balas pelo México muito antes de Antonio Banderas e a “Balada do Pistoleiro”. Assassinando Miguelitos (pequenos garotos com chapelão mexicano), atacando donzelas inocentes e enrabando seus cavalos, os três espalharam terror e risadas com seu humor ácido, violento e completamente sem moral. Ganharam posteriormente as páginas do caderno Folhateen por onde reinaram anos seguidos sempre gerando polêmica. Voltando a Chiclete com Banana…

A revista publicada pela Circo trazia além de charges, matérias humorísticas, fotonovelas, anúncios feitos especialmente para o Pasquim, entre outras porra-louquices. Os personagens clássicos de Angeli estavam todos nas páginas sangrentas da Chiclete, cada um representando um tipo comum na sociedade brasileira da época : Rhalah Rikota, Rê Bordosa, Walter Ego , Meia Oito e o punk Bob Cuspe. Bob era pra ser no começo uma sátira aos punk paulistas, mas seu criador acabou se identificando tanto com o personagem e a ideologia do mivimento que logo a revista se tornou a preferida de punks e headbangers. Muito antes da “Metalhead” e “Rock Brigade”, fãs de rock mandavam cartas atrás de contato com outros fãs. Metaleiros pediam um personagem cabeludo e punks detonavam o sistema em cartas seriíssimas. Sintam o drama :

“A sua revista Chiclete é uma chance dada aos punks de todo o mundo. Agora, estes filhos da puta, metal, heavy, black, new waves, querem atrapalhar nosso espaço. Na MAD eles encontrarão um espaço, aqui não, fora, foraa, foraaa!”
Lula Borozão, Brasília, DF.

Ou

“Sou um black metal revoltado e acho pagode coisa de viado. Pau no cu dos pagodeiros”.
EFA, Embu, SP.

Sem contar cartas enviadas por punks de um kibutz em Israel ou uma sessão toda destinada a cartas detonando a MAD. Surreal? O ano era 1987 e ainda tinha uma foto de uma leitora de costas mostrando a bunda ilustrando a página. Quem tem a manha hoje em dia? Quem tem a manha de detonar o Lulu “Argh” Santos com todas as letras e colocar Freud de moicano na capa??

As 52 páginas de cuspe na cara que saíam a cada dois meses duraram até a edição 22 e deram força para o surgimento de diversas outras publicações semelhantes como a revista “Circo” e a “Geraldão” (do Glauco), todas seguiam a linha inovadora criada por Angeli em sua revista. Ele mesmo admite que o seu caráter centralizador de querer fazer tudo sozinho acabou dificultando a produção regular do título; e também logo vieram as crises que abalaram a economia no final dos anos 80, diminuindo o poder de compra dos leitores ávidos por quadrinhos.

Plano Collor, sertanejo nas rádios, democracia. O cenário era diferente nos anos 90 para quem havia surgido na década passada. Não que os quadrinhos de Angeli não se atualizassem, mas o formato de revista regular se tornou inviável. Uma nova década viria junto com quadrinhos online e editoras especializadas em lançar álbuns de quadrinistas como Lourenço Mutareli, mas a Chiclete com Banana ficou na memória daqueles que puderam sentir o cheiro junkie do papel “pulp fiction” de suas páginas.

Veja também:
-Te gustas el punk rock?
-Homenagem ao cartunista Glauco

Frederico Di Giacomo Rocha
08 de Maio de 2004
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...