10 músicas clássicos do hardcore melódico brasileiro

O Dead Fish em show em 2007

Inspirado pelo documentário “Do underground ao emo” – que conta a história do hardcore melódico nacional – eu resolvi organizar essa lista com 10 das maiores músicas do hc melódico nacional, focando principalmente nas bandas dos anos 90/2000. Exclui daqui as bandas emo e coloridas, que pertencem a outro capítulo da história do rock brasileiro. Também procurei focar em bandas da “cena”, por isso não inclui músicas de hardcore melódico de bandas que não “eram” de hardcore melódico (como “Mulher de Fases” dos Raimundos, que abriu caminho pro CPM22 ou músicas de Detonautas e do primeiro disco do Los Hermanos).

Chega de papo e vamos aos clássicos:

1) “Red Rose Bouquet” – Street Bulldogs

2)”Noite” – Dead Fish

3) “Regina Let’s Go” – CPM 22

4) “Embedded Needs” – Garage Fuzz

5) “1997” – Hateen

6) “Quando tocar na TV” – Cueio Limão

7) “Vinteum” – Fistt

8)”Orgânico” – Noção de Nada

9) “Revolução” – Sugar Kane

10)”Se essas paredes falassem ” – Dance of Days

Veja também:

-Assista ao documentário “Do underground ao Emo”

-Entrevista com João Gordo, do Ratos de Porão

“Red Rose Bouquet” – Street Bulldogs

street-bulldogs-red-rose-bouquet

A cena independente brasileira sofre de Alzheimer. E é triste como ver seus avós esquecerem da família. A quantidade de informação sobre nosso underground na internet é pouca: vários blogs falando do atual sucesso de 15 minutos e raros fragmentos de história das bandas que já acabaram e tiveram alguma relevância.

Estava lembrando hoje do Street Bulldogs. A banda de hardcore melódico foi fundada em Pindamonhangaba (!!!), em 1994. Depois de ser reformulada em 1998 pelo seu vocalista e líder, Leonardo Kobbaz, eles estouraram na Mtv com a música “We Build Our Own Way”, usada numa vinheta do canal contra o preconceito aos portadores de HIV.

Em 2001, os caras lançaram um dos melhores discos da década, “Question Your Truth” com o hitzinho “Red Rose Bouquet” e também as ótimas “Tarde Demais”, “Remains Clear” e “Call Me At Home”. As guitarras eram trabalhadas em riffs melódicos, os refrões empolgantes e grudentos, as letras misturavam engajamento e lirismo. A arte do cd era impecável e, de bônus, você ganhava uma versão de Ramones e outra de Culture Club. É dessa época uma bela performance dos caras no programa Musikaos, da rede Cultura. A banda ainda lançou mais dois discos de estúdio – “Tornado Reaction” e “Unlucky Days” – antes de encerrar as atividades.

Veja também:
-Courtney Love nuazinha e com cara de má
-Vídeos rock ‘n’ roll
-6 discos para começar a ouvir jazz

Metalização do pop – 10 covers metal de músicas pop

por Diego Sanches

A banda Brujeria detonou a "Macarena"

A banda Brujeria detonou a “Macarena”

 

Existem dois tipos de bandas de metal: as que se levam a sério e as que não se levam. Ponto.

Esse é um post sobre o segundo tipo, que de vez em quando se presta a fazer uma gracinha ou outra pra provocar a galere. Gravar covers de músicas pop odiadas pelos fãs é uma delas, relativamente comum.

Lembro até hoje quando era um garoto juvenil e ouvia metal melódico e power metal no ano de noventa e oito. Esperava ansiosamente pelo lançamento de discos do Helloween e Gamma Ray, e foi esse último que me tomou de surpresa ao lançar em meio ao seu disco mais pesado até então (o máximo que uma banda de melódico conseguia fazer, pelo menos) um cover da banda mais homossexual da década anterior.

“It’s a Sin”, do Pet Shop Boys.

Na época a turminha adolescente cheia da razão odiou, e ergueu dedos médios durante a execução da música no show em São Paulo, no mesmo ano. Esse show custou R$12,50 a meia entrada para a pista e teve abertura do Symbol e do Roland Grapow Band. Hoje não dá nem pra ir no cinema com isso. Tô velho.

Enfim.

Alguns anos depois – não sei quantos nem estou preocupado em pesquisar agora – o Children of Bodom gravaria aquele que seria o mais blasfemo dos covers já tocados por uma banda da gélida Finlândia: “Oops I did it again”, da Britney, bitch!

Daí, o que vem é ladeira abaixo. Brujeria tocando “Macarena (Marijuana)”…

Sei lá que banda tocando “Umbrella”…

Até chegar no Ten Masked Men, uma banda ruim que SÓ faz isso…

Outro vídeo: watch?v=xwuLlIUnamI

Até chegar no ápice: “Sex Bomb”

Se você, que é leitor antenado nas novas tecnologias, pesquisar por “metal cover” no youtube vai ver que essa se tornou uma prática comum em bandas que são tão ruins que conseguem piorar músicas ruins. Sim, eu tenho que dizer que Bad Romance é ruim. Ta pensando o que!


Eu ia acabar o post aqui, mas é interminável! É o recurso mais babaca e comum das bandinhas de merda de hoje em dia.

Sério, eles devem só ficar esperando a Lady Gaga ou a Kesha lançar um hit novo pra começarem a gravar. Se é pra fazer um cover, faça de forma a melhorar a música, não só pra fazer uma piadinha imbecil com riffs clichês, pedal duplo e vocal urrado.

Faça como Warrel Dane fez com uma música do Sisters of Mercy, por exemplo:

Comecei a escrever isso aqui lembrando todo jocoso (mas nunca saudoso) da minha adolescência perdedora, mas terminei meio puto.

Fica aí com mais um vídeo ridículo e não me encha mais o saco.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...