História do Heavy Metal em BH – Ruído das Minas

cartaz-ruido-das-minas-documentário
Documentário produzido como TCC (olha só não é tão difícil, hein, molecada?) e exibido na Mtv, desvenda como a pacata BH se transformou na capital brasileiro do heavy metal exportando bandas como Sepultura, Sarcófago e Overdose. O vídeo traz depoimentos das principais bandas da cena e mais galera de fanzines e da clássica gravadora Congumelo Records. Histórias engraçadas, rancor contra o Sepultura  e vídeos e fotos raras estão na receita. Vale muito a pena pra quem se interessa pela história do rock brasileiro.
Parte 1

Parte 2

Parte 3

Parte 4

Parte 5

Parte 6

Parte 7

Parte 8

Parte 9

Parte 10

Parte 11

Veja também:

– 10 bandas clássicas do heavy metal brasileiro
-40 melhores bateristas do metal
-Documentário conta a história do punk paulistano

40 melhores bateristas de heavy metal

Usando como base as listas de melhores bateristas da história do rock e melhores bateristas dos últimos 25 anos da Rolling Stone somadas ao ranking do site Digital Dream Door, montei a listinha abaixo. Não está em ordem hierárquica e, é claro, vai gerar polêmica, por isso solicito gentilmente que vocês deixem suas sugestões nos comentário & confiram nossos outros rankings de melhores bateristas!

-100 Melhores bateristas da história

-10 maiores bateristas de rock do Brasil

-Melhores bateras dos últimos 25 anos


Dave Lombardo
 (Slayer)


Joey Jordison
(Slipknot)

John Bonham (Led Zeppelin)


Mike Portnoy
 
(Dream Theatre)


Danny Carey
 (Tool)


Ian Paice
 (Deep Purple)

The Rev (Jimmy Sullivan) (Avenged Sevenfold)

Cozy Powell (Rainbow/Whitesnake)


Matt Cameron
 (Soundgarden)

Virgil Donati (Planet X)

Bill Ward (Black Sabbath)

Vinnie Paul (Pantera)

Alex Van Halen (Van Halen)

Nicko McBrain (Iron Maiden)

Gavi Harrison (Porcupine Tree)

Scott Rockenfield (Queensryche)

Tommy Aldridge (Whitesnake)

Mike Bordin (Faith No More)

Lars Ulrich (Metallica)

Igor Cavalera(Sepultura)

Mike Sus (Possessed)

Jason Rullo (Symphony X)

Raymond Herrera (Fear Factory)

Brann Dailor (Mastodon)

Matt McDonough (Mudvayne)

Scott Travis (Judas Priest)

Joey Kramer (Aerosmith)

Gene Holgan (Death)

Downey (Thin Lizzy)

Nicholas Barker (Dimmu Borgir)

Paul Bostaph (Slayer)

Brad Wilk (Rage Against The Machine)

Matt Sorum (Guns N’ Roses, Velvet Revolver)

John Dolmayan (System of a Down)

Sean Kinney (Alice in Chains)

Thomas Haake  (Meshuggah)

Nick Menza (Megadeth) 

Bobby Jarzombek
(Spastic Ink, Demons and Wizards, Halford)Hellhammer (Mayhem, Arcturus, Dimmu Borgir)– Confira também os melhores baixistas de heavy metal da história

Edu Falaschi (Angra e Almah) dá um tapa na cara do metal nacional

edufalaschi-rockexpress

Eu falo pouco de metal aqui, mas achei legal o desabafo do vocalista Edu Falaschi (Angra e Almah) esculachando a cena nacional. No mínimo, é curioso um vocalista mandando os fãs tomarem naquele lugar.

-10 bandas clássicas do heavy metal brasileiro
-Melhores baixistas do metal

Depois de passar por uma invasão hacker, este bloguinho quase acabou no começo de 2011. Voltamos às nossas atividades paranormais em setembro de 2011 e a audiência de outubro já TRIPLICOU. Uhu!

No meio da bagunça de republicar os posts antigos, alguns ficaram de fora e eu tive o trabalho de colocá-los no ar pra vocês. Abaixo um top 10:

1) Milo Manara: Poeta pornógrafo dos quadrinhos eróticos
2) 5 sons pioneiros do rap nacional
3) 10 bandas clássicas do heavy metal brasileiro – anos 80
4) Maiores maconheiros da ficção
5) Famosas Nuas – Poesia
6) Tempest Storm e Bettie Page – Musas Pin Ups
7) 10 músicas clássicas do rap nacional
8) 10 livros que mudaram minha vida
9) Brody Dalle – Musas Rock ‘n’ Roll
10) Melhores baixistas do heavy metal

Desenho do mestre Milo Manara

 

Metalização do pop – 10 covers metal de músicas pop

por Diego Sanches

A banda Brujeria detonou a "Macarena"

A banda Brujeria detonou a “Macarena”

 

Existem dois tipos de bandas de metal: as que se levam a sério e as que não se levam. Ponto.

Esse é um post sobre o segundo tipo, que de vez em quando se presta a fazer uma gracinha ou outra pra provocar a galere. Gravar covers de músicas pop odiadas pelos fãs é uma delas, relativamente comum.

Lembro até hoje quando era um garoto juvenil e ouvia metal melódico e power metal no ano de noventa e oito. Esperava ansiosamente pelo lançamento de discos do Helloween e Gamma Ray, e foi esse último que me tomou de surpresa ao lançar em meio ao seu disco mais pesado até então (o máximo que uma banda de melódico conseguia fazer, pelo menos) um cover da banda mais homossexual da década anterior.

“It’s a Sin”, do Pet Shop Boys.

Na época a turminha adolescente cheia da razão odiou, e ergueu dedos médios durante a execução da música no show em São Paulo, no mesmo ano. Esse show custou R$12,50 a meia entrada para a pista e teve abertura do Symbol e do Roland Grapow Band. Hoje não dá nem pra ir no cinema com isso. Tô velho.

Enfim.

Alguns anos depois – não sei quantos nem estou preocupado em pesquisar agora – o Children of Bodom gravaria aquele que seria o mais blasfemo dos covers já tocados por uma banda da gélida Finlândia: “Oops I did it again”, da Britney, bitch!

Daí, o que vem é ladeira abaixo. Brujeria tocando “Macarena (Marijuana)”…

Sei lá que banda tocando “Umbrella”…

Até chegar no Ten Masked Men, uma banda ruim que SÓ faz isso…

Outro vídeo: watch?v=xwuLlIUnamI

Até chegar no ápice: “Sex Bomb”

Se você, que é leitor antenado nas novas tecnologias, pesquisar por “metal cover” no youtube vai ver que essa se tornou uma prática comum em bandas que são tão ruins que conseguem piorar músicas ruins. Sim, eu tenho que dizer que Bad Romance é ruim. Ta pensando o que!


Eu ia acabar o post aqui, mas é interminável! É o recurso mais babaca e comum das bandinhas de merda de hoje em dia.

Sério, eles devem só ficar esperando a Lady Gaga ou a Kesha lançar um hit novo pra começarem a gravar. Se é pra fazer um cover, faça de forma a melhorar a música, não só pra fazer uma piadinha imbecil com riffs clichês, pedal duplo e vocal urrado.

Faça como Warrel Dane fez com uma música do Sisters of Mercy, por exemplo:

Comecei a escrever isso aqui lembrando todo jocoso (mas nunca saudoso) da minha adolescência perdedora, mas terminei meio puto.

Fica aí com mais um vídeo ridículo e não me encha mais o saco.

Cozinha do Inferno: Hellbent for Cooking

Faz um bom tempo que eu não escrevo um post (e o Fred está quase me expulsando daqui), mas foi por um bom motivo: estava ocupado com os preparativos do meu casamento.

Um dos presentes que ganhamos foi o livro Hellbent for Cooking. Já que temos que cozinhar, que seja da forma mais metal possível!

cover_hellbent-1

O livro foi escrito pela canadense Annick Giroux “The Morbid Chef” e traz receitas enviadas por bandas de vários países e estilos, desde o metal mais tradicional do Judas Priest até o black metal do Gorgoroth. Só senti falta de umas bandas mais farofa. HÁ!

eee_veg_beans_1

Ela conta que algumas não puderam entrar no livro, pois não poderiam ser testadas por falta ou bizarrice dos ingredientes e ninguém ia realmente conseguir fazer, como o coração de cobra cru com whiskey enviado pelo Surrender of Divinity da Tailândia ou o guisado de cachorro mandado pelo Piledriver do Canadá.

As receitas são divididas em capítulos de acordo com a especialidade, seja carne, cordeiro, drinques ou até vegetariano. O Kreator por exemplo mandou uma receita de hamburguer vegan de aveia.

hellbent-cooking

Dentre bandas de todo o mundo, duas brasileiras entraram na jogada: Sepultura com seu “churrasco ao molho de soja” e Holocausto com a óbvia “caipirinha”.

O livro tem 224 páginas, é editado pela Bazillion Points que é especializada em heavy metal e não tem versão nacional, mas pode ser encontrado em livrarias online como Amazon por $23.89 + shipping e The Book Depository por $20.17 com free shipping.

Plástico pesado – Action Figures rock ‘n’ roll

por Diego Sanches

Além do Heavy Metal, da cerveja e de reclamar, uma das coisas que eu mais curto são action figures.

Pra quem não sabe, action figures é o nome que gente velha dá aos “bonequinhos” pra não se sentir tanto um nerd perdedor. Sabe? He-Man, Comandos em Ação…

Pois bem, além de super-herois, soldados e bárbaros de sunga de pelúcia, um tema que é bastante explorado é o de figuras de músicos. Principalmente, os músicos de metal. Ou, no caso, de plástico.

Nos anos 90, Todd McFarlane, que já desenhou o Homem Aranha e criou o Spawn, fez sua própria linha de brinquedos action figures. Mas, diferente de tudo que se viu antes, pareciam mini estátuas realistas.

A Mcfarlane Toys fabricou, em seus tempos áureos (porque hoje em dia andam meio caidões), algumas das melhores figuras que existem, e várias delas eram de músicos.

Algumas empresas tentaram continuar o legado da McFarlane, principalmente a NECA Toys, mas nenhuma chegou a produzir tantas figuras de músicos quanto a empresa do Spawn. Teve uma série inteira só de Elvis Presley e várias figuras inspiradas em Beatles, mas como o papo aqui é metal, caguei pra essas figuras.

Abaixo, alguns dos melhores bonecos da McFarlane:

Metallica Box-set

Kiss – Love Gun Box-set

Alice Cooper

Ozzy Osbourne

Slash

Rob Zombie

Iron Maiden – The Trooper

Iron Maiden – Killers

Motley Crüe Box-Set

Alguns da NECA Toys:

AC/DC – Brian Johnson and Angus Young Box-Set

Iron Maiden – Piece of Mind

Iron Maiden – Phantom of the Opera

Bobblehead do Iron Maiden – The Number of the Beast

e alguns diversos de outras empresas…

Lemmy Kilmister, da Locoape

Metallica – Master of the Puppets SMITI, da SEG

No Brasil, é possível achar algumas figuras dessas em lojas especializadas ou em algumas livrarias como Fnac ou cultura. O que eu não recomendo pois é bem mais caro do que o normal.

Aqui em São Paulo existem algumas boas lojas de bonecos como a Limited Edition, Coleciona e Power Toys, mas sempre vale a pena pesquisar preços no Mercado Livre.

A melhor opção é importar. Algumas boas lojas gringas que entregam pra cá são a CornerStore Comics, Big Bad Toy Store e Entertainment Earth. O ebay costuma ser o lugar mais em conta pra comprar, e eu recomendo imensamente uma pesquisa lá antes.

Melhores baixistas do metal – Parte 2

Pra não deixar o post tão pesado dividi a lista em duas partes. Aí vai a segunda parte. Agradeço a colaboração do Diego Sanches, guitarrista, “rédibengue” e dono do blog “FuckYouI’mFromHell”.

PS:Como é uma lista de baixistas de metal, preferi não incluir gente mais identificada com outros estilos, mas que podem ter sua presença sentida.(Roger Glove, John Paul Jones, Geddy Lee, etc).

-100 melhores baixistas da história.
-Melhores baixistas do heavy metal – primeira parte da lista

Geezer Butler (Black Sabbath)

O pai do peso do baixo no heavy metal. Butler foi um pioneiro tanto nos solos, quanto nas linhas elaboradas, destacando-se em meio aos gênios de Iommi e Ozzy, por sua técnica e estilos próprios. Seu solo antes de NIB(com a novidade do uso de efeitos) é sempre apontado como um dos melhores do rock ‘n’ roll.

Steve DiGiorgio(Death, Testament, Sadus, Iced Earth)

Mestre do fretless (ouça “Dracula” do Iced Earth), talvez um dos baixistas menos conhecidos dessa lista, DiGiorgio tem uma grande gama de serviços prestados ao metal, e um grande número de vídeos em que aparece fritando as cordas de seu baixo em prol do melhor som. Quando não está detonando em bandas como o Death, ele ainda tem um projeto paralelo de jazz.

Ryan Martinie (Mudvayne)

Não adianta tocer o nariz, não dá pra ignorar que o new metal trouxe novidades nos terrenos do contrabaixo. Martnie conseguiu uma das coisas mais difíceis para um músico que é imprimir sua marca registrada, sendo facilmente reconhecido nas músicas do Mudvayne, misturando groove de slaps com peso do seu baixo grave e muita velocidade na mão direita. Ignore a maquiagem e ouça o trabalho de Ryan com atenção.

Billy Gould(Faith No More)

Les Claypool é muito experimental e Flea muito pop para estarem nesta lista. Então, o representante do funk metal aqui é Billy Gould, o responsável pelo peso e balanço da maluquice sonora que é o Faith No More. Gould fez toda uma geração de fãs de rock pesado se preocupar com o swing e sem ele não existiriam trabalhos como de Ryan Martnie e Fieldy, do Korn.

Mike Lepond(Symphony X)

Pra não deixar essa lista só com virtuoses técnicos, alternamos baixistas criativos, caras que inovaram no estilo e alguns “nerds progressivos”. O trabalho de Lepond se encaixa na última definição, com incrível domínio de variadas técnicas, o cara teve a responsa de substituir outro monstro do contrabaixo, Thomas Miller. Influenciado inicialmente por Gene Simmons, Lepond não precisa de mais do que as 4 cordas do seu PEAVEY Zodiac para detonar.

Menções honrosas pela atitude e importância:
David Ellefson (Megadeth)
Joey DeMaio (Manowar)
Fieldy(Korn)
Lemmy Kilmister (Motörhead)
Tom Araya (Slayer)

-Melhores baixistas do heavy metal – primeira parte da lista

Melhores baixistas do heavy metal

Sim, todo mundo gosta de saber quem são os melhores e maiores. Aí vai nossa listinha de 10 baixistas que cravaram sua marca no heavy metal. Agradeço a colaboração do Diego Sanches, guitarrista, “rédibengue” e dono do blog “FuckYouI’mFromHell”.

-Segunda parte da lista

PS:Como é uma lista de baixistas de metal, preferi não incluir gente mais identificada com outros estilos, mas que podem ter sua presença sentida.(Roger Glove, John Paul Jones, Geddy Lee, etc).

-100 melhores baixistas da história.

Steve Harris (Iron Maiden)

Se o Geezer Butler é o pioneiro, Steve Harris foi o responsável por definir de vez a importância do baixo no heavy metal. Além de compor a maioria das músicas do Iron, o cara criou um estilo copiado por muitos até hoje, mesclando “cavalgadas” movidas a mão direita ultra-rápida e riffs criativos. Unanimidade em todas as listas do estilo.

Cliff Burton (Metallica)

Menino prodígio, Cliff Burton só deixou 3 discos gravados antes de morrer num trágico acidente de ônibus. Que nível técnico ele teria alcançado, nunca vamos saber, mas seus solos, uso de distorção, riffs e gosto pela música clássica deixaram saudades nos fãs do Metallica. Numa banda com egos tão grandes quanto a qualidade musical, o espaço que Burton arrumou para fazer solos – em um instrumento normalmente fadado ao acompanhamento rítimico – é incrível.

John Myung(Dream Theater)

Quando o parâmetro é técnica, tem sempre alguém que vai superar o mestre em velocidade e eficiência. Por enquanto, ninguém destronou o virtuose John Myung, um dos pilares do metal progressivo do Dream Theater. Dominando uma infinidade de estilos, seu baixo de 6 cordas(que pode chegar a 12 cordas) parece pequeno quando ele o ataca usando o tapping.


Billy Sheehan(Mr. Big, Steve Vai, David Lee Roth)


Sheehan talvez tenha passado pelas bandas menos “metal” dessa lista, mas deixá-lo de fora seria uma heresia. Seu estilo virtuoso e agressivo em solos de quase dez minutos nas apresentações ao vivo pode ser substituído por linhas cheias de ritmo e harmonia, em canções mais calmas. Sheehan pode não ser tão cerebral quanto Myung, mas compete no mesmo nível técnico que o baixista do Dream Teather.

Robert Trujillo (Metallica, Ozzy, Suicidal Tendencies)

Muito antes de ocupar o lugar que foi de Cliff Burton no Metallica, Trujillo já prestava bons serviços ao metal. Primeiro fundindo groove, peso e velocidade nas bandas Suicidal Tendencies e Infectious Groove. Seus slaps deram lugar a linhas pesadas quando foi tocar com Ozzy. Versátil, Trujillo se adapta a cada novo projeto, sem perder o brilho e a pegada característicos de seu trabalho.

Menções honrosas pela atitude e importância:
David Ellefson (Megadeth)
Joey DeMaio (Manowar)
Fieldy(Korn)
Lemmy Kilmister (Motörhead)
Tom Araya (Slayer)

-Segunda parte da lista de grandes baixistas do metal

Luiz Caldas é do metal!!!

Duvida? Então leia aqui o que o “criador do Axé” anda aprontando, influenciado por bandas como Pantera e Kreator

lc1

Da Globo.com:
Influenciado por Pantera, ‘criador do axé’ grava disco de rock

Projeto de Luiz Caldas inclui duas caixas de discos com vários estilos.
Canções inéditas vão do samba a músicas gravadas em tupi.

luiz-caldas-luizcaldas_1235074928

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...