5 judeus que mudaram o mundo (e você nem lembra que eles eram judeus)

Apesar de estarmos no século XXI, muitas vezes eu ainda ouço comentários preconceituosos sobre os judeus. Outras tantas eu me deparo com notícias bizarras sobre grupos neonazistas no Brasil. Ora, neonazistas defendem as ideias ultrapassadas de Adolf Hitler – entre elas, exterminar completamente o povo judeu. Você já imaginou a tragédia que seria o extermínio de um povo inteiro? Imaginou um mundo sem judeus? Bom, seria um mundo sem super-heróis, rock pesado, terapia e a Igreja Católica. Duvida? Confira abaixo 5 judeus que mudaram o mundo e pense melhor antes de destilar seu preconceito.

5) Stan Lee
Sim, um mundo sem judeus seria um mundo sem super-heróis. Além de Jerry Siegel e Joe Shuster – criadores do Super-Homem  – serem judeus, Stan Lee um dos caras mais simpáticos e influentes do mundo das HQs nasceu em uma família judia. Lee criou nada menos que o Homem-Aranha, os X-Men, o Hulk, o Quarteto-Fantástico, o Thor, o Homem-de-Ferro… praticamente a MARVEL COMICS INTEIRA. Portanto, qualquer nerd ou fã de Vingadores deveria pensar 1000 vezes antes de ter preconceito contra judeus.

4) Gene Simmons, Kiss
A língua mais famosa do rock n’ roll pertence a um judeu. Isso mesmo, Gene Simmons (vocalista e baixista) do Kiss é filho de uma sobrevivente do Holocausto nazista. Se Hitler não tivesse sido derrotado, provavelmente você não poderia cantar hits como “Rock n’ Roll All Nite” e “Detroit Rock City”. Aliás, o rock pesado está cheio músicos de origem judaica: Slash (Guns n’ Roses), Geddy Lee (Rush), Gery Snider (Twisted Sister)… A lista é mais longa e a língua de Simmons.

3) Sigmund Freud

Ok, essa é mais óbvia, mas é muito importante lembrar que toda a revolução provocada pela criação da psicologia saiu da cabeça desse judeu austríaco. Freud é o pai da psicanálise – criação que ajudou a vida de milhões de pessoas e tem tido diversas de suas teorias confirmadas pelas recentes descobertas da neurociência. Um mundo sem judeus seria um mundo sem terapia e com muito menos conhecimento sobre a natureza humana.

2) Albert Einstein
O nome “Albert Einstein” virou, simplesmente, sinônimo de gênio na cultura popular. Entre os acadêmicos, o cientista alemão foi escolhido muitas vezes como o maior físico da história. Pai da teoria da relatividade e  dono de descobertas fundamentais no desenvolvimento da teoria quântica, Einstein resolveu migrar para os EUA quando Adolf Hitler assumiu o poder na Alemanha. É difícil imaginar que o preconceito nazista poderia ter tirado do mundo uma de suas mentes mais brilhantes.

1) Jesus Cristo
Sim, sim, amigos, não adianta espernear. Para ser judeu, você deve ter nascido de ventre judaico e Maria era judia, assim como a maioria dos que viviam ao redor de Jesus há mais de 2000 anos atrás. O Deus de Jesus era o mesmo Deus judaico do Velho Testamento e Cristo se considerava o messias que os judeus esperavam. A partir daí, crença não se discute, mas é interessante que os cristãos lembrem da origem de jesus, já que a Inquisição passou anos perseguindo e expulsando judeus na Europa. 

Também são judeus Woody Allen, Allen Ginsberg, Silvio Santos, Shia LaBeouf, Seinfeld, Will Eisner, Davi, Moacyr Scliar, Amos Oz …

David Duchovny (de Californication) e os famosos viciados em sexo

Esse post foi originalmente publicado no antigo blog “Séries de Tv” do portal Abril.com, em 2008. Como ele saiu do histórico do blog, resolvi resgatá-lo aqui.

David Duchovny (da série Californication) é um dos famosos ninfomaníacos da nossa lista

-David Lynch divulga a meditação transcendental no Brasil

O ator David Duchovny, 48 anos – que estrelou “Arquivo X”, fez uma participação como o namorado maluco de Carrie em “Sex and the City” e hoje vive o escritor mulherengo Hank Moody, em “Californication” – declarou na última quinta-feira(28) que se internaria num clínica para cuidar do seu vício em sexo.

Será que David – um pai de familia, casado desde 1997 com a mesma mulher, Tea Leoni – foi influenciado por seu personagem “vida louca” em “Californication”? Depois que Heath Ledger ficou transtornado pelo papel do Coringa, todo cuidado é pouco. E o vício em sexo é uma moda que está bombando entre os famosos. Antes de Duchovny, Ron Wood foi internado, ainda em 2008, no sul da Inglaterra e o músico Kanye West afirmou que “seu único vício era a pornografia e o sexo”.

De olho nesse “perigo” fizemos um Top 5 com famosos que, assim como Duchovny, sofreram(ou sofrem) de ninfomania.

1)Michael Douglas

Michael Douglas foi um dos ninfomaníacos pioneiros no mundo das celebridades quando, depois de estrelar “Instinto Fatal”, ao lado de Sharon Stone, admitiu ser viciado em sexo e se internou numa clínica para tratar do seu problema. Isso tudo ainda nos anos 90!

2)Jack Nicholson

O veterano ator americano, Jack Nicholson, já afirmou em diversas entrevistas que não consegue ser fiel porque, mesmo com seus 71 anos, “gosta muito da coisa”. Nicholson é dono da famosa frase de que “eu não pago as prostitutas para transar com elas, eu pago para elas irem embora”.

3)Nelson Ned

Nosso pequeno talento foi um dos primeiros brasileiros a assumirem seu vício em sexo. Segundo o cantor romântico, sua compulsão destruiu sua carreira e consumiu todo seu dinheiro. Mas não esquente Nelson, “tudo passa, tudo passará”.

4)Ron Wood


O guitarrista dos Rolling Stones, Ron Wood, se internou este ano numa clínica no sul da Inglaterra para curar seu vício em álcool e sexo. Wood estava mantendo um caso extra-conjugal com uma garçonete russa, Ekaterina Ivanova, de 18 anos, e bebendo vodka como água, mesmo com 61 anos nas costas.

5)Kanye West

O músico americano, que vem tocar no Tim Festival esse ano, afirmou para o “The Sun” que seu único vício era o sexo e que ele carregava pornografia com ele o tempo todo. O cantor do hit “Gold Digger”, disse que dá no couro quatro vezes por noite e mais uma de manhã. Canseira, hein?

Trailer de Californication

-Quer ler mais sobre séries de tv?

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...