Como ficam a mídia e os jornalistas diante dos protestos no Brasil?

Dizia uma velha propaganda eleitoral: “eu tenho medo”. Eu também tenho medo: medo de perder o emprego. Isso mesmo, devo confessar minha covardia; toda vez que vejo explodirem protestos contra injustiças eu penso duas vezes para fazer comentários que possam comprometer meu emprego. Toda vez que a maior revista do Brasil escreve uma matéria distorcendo fatos, trocando notícias por opiniões e carregando em adjetivos preconceituosos eu me sinto amordaçado e não comento nada. Justo eu que sempre inventei fanzines, jornaizinhos e programas de rádio para dizer o que penso livremente. Mas, e agora, se eu falar o que penso poderei ser demitido?

Bom, nós temos “cumprido nosso dever” como jornalistas. Nossos chefes mandaram repórteres e fotógrafos para cobrir os protestos contra o aumento da passagem de ônibus. As notícias que me chegam são que um fotógrafo ficou cego e uma jornalista foi gravemente ferida pela truculência da Policia Militar (acostumada a espancar, matar e torturar rotineiramente nas periferias do estado). Um fotógrafo e uma jornalista que estavam TRABALHANDO. Cumprindo as ordens dos seus chefes. E o que nós recebemos em troca pelo sacrifício? Editoriais, colunas e blogs elogiando a violência sem sentido da PM que cega. E não podemos nem comentar em nossos Facebooks e Twitters pessoais por que temos medo de perder o emprego?

É engraçado porque, na faculdade, muitos dos meus colegas – de esquerda e de direita – escolheram a profissão porque achavam que podiam ajudar a mudar o Brasil. Podiam denunciar a corrupção, a violência e dar voz às grandes histórias que mereciam ser contadas. E a gente acusava os estudantes de engenharia de serem alienados. Mas agora os engenheiros constroem pontes e nós construímos o quê?

Então, no final, nós jornalistas somos como a PM? Cumprimos as ordens que servem para manter a ordem e voltamos para casa felizes por receber os nossos salários que nos permitem tomar uma cerveja importada, uma viagem pro exterior ou um iPhone novo? Somos a polícia militar do pensamento contando as mesmas histórias sempre sobre vândalos e bárbaros que querem destruir a ordem e o progresso? Bem, nós não concordamos com as próprias notícias que publicamos, claro, mas não temos direito de escrever as verdades que apuramos. Escrevemos o que nos pagam pra escrever? Afinal, temos que manter nossos empregos… No entanto, por mais dóceis que tenhamos sido (mais ponderados e obedientes ), nós estamos perdendo os empregos aos montes. Na Folha, no Estado, no Valor Econômico, na Abril, na Caros Amigos, na Trip… Quando a situação aperta jornalistas se tornam descartáveis. Um ponto a mais nas folhas de gastos como papel, luz ou aluguel. Agora não temos emprego nem dignidade dos tempos de faculdade.

E do outro lado?

Eles têm balas de borracha que nos cegam, gás de pimenta que nos sufocam, os maiores jornais e revistas do Brasil, todos reportando um só lado da história. Eu tenho essas simples e sinceras palavras. A dignidade que me resta me impede de continuar escondendo-as na garganta.

E você?

“Odisséia”, Homero, tradução Antônio Pinto de Carvalho – Resenha

Esta resenha não tem pretensão de ser uma análise completa desta obra que já rendeu diversos livros e trabalhos acadêmicos. Para um estudo aprofundado recomenda-se “Introducion à l’ Odyssée” de V.BÉRARD.

Odisséia”, Homero, tradução Antônio Pinto de Carvalho – Resenha

ulisses-odissecc81ia

por Fred Di Giacomo

A “Odisséia” é o poema épico que narra todas as aventuras vividas por Ulisses – versão latina do nome de Odisseu – em seu longo retorno da Guerra de Tróia para sua casa em Ítaca. O poema, assim como a “Ilíada”, é atribuído ao poeta grego Homero, que teria vivido no século VIII a.C. (Existe uma grande polêmica sobre a existência ou não de Homero, muitos julgam que a obra é uma composição coletiva de diversos aedos gregos, reunidas por algum organizador que pode ter sido ou não Homero.)

24 cantos que funcionam como capítulos – compõe a “Odisséia” que se divide em três grandes partes a “Telemaquia”, na qual Telêmaco, o filho de Ulisses, começa sua busca pelo pai, desaparecido há anos, depois de terminada a Guerra de Tróia; a narração no palácio de Alcino das aventuras de Ulisses até ser mantido preso pela ninfa Calipso em sua ilha; e a vingança de Ulisses, quando ele volta para Ítaca disfarçado para punir os pretendentes que querem casar com sua esposa Penélope e consomem os seus bem em grandes banquetes. Segundo Thomas W Allen, em texto de 1907, o núcleo primitivo da narrativa são as lendas – quase contos – de Ulisses no palácio de Alcino quando ele relata seu encontro com os terríveis Ciclopes, a feiticeira Circe – que transforma seus aliados em porcos – e as Sereias que procuram atrair para a morte os navegantes, com seus cantos hipnóticos. Estão neste núcleo grande parte da base das lendas/folclore ocidental.

A narrativa é focada na história de Ulisses, herói da Guerra de Tróia que na volta para casa cega o ciclope Polifemo, filho do deus dos mares Posídon – “o sacudidor de terras” –atraindo a fúria do irmão de Zeus e tendo seu regresso para casa retardado em dez anos. Após perder todos os companheiros de jornada, Ulisses se vê preso pela ninfa Calipso, que apaixonada pelo herói o retém em seu leito, sonhando em torna-lo imortal como ela. Ulisses passa os dias chorando na praia, olhando para o mar e sonhando pelo dia em que verá novamente sua terra natal. É então que a deusa Atenas se apieda do herói e passa a interceder por ele, ajudando-o a escapar da ninfa e incitando seu filho Telêmaco a ir atrás de notícias do pai. Enquanto isso em Ítaca, os nobres solteiros da região sonham em casar com Penélope a belíssima esposa de Ulisses – que consideram morto. Penélope, ícone de fidelidade, diz que só escolherá um novo marido quando tiver terminado de tecer a mortalha para Laertes, pai de Ulisses, mas toda a noite ela desmancha o trabalho, começando do zero no dia seguinte. Enquanto esperam, os pretendentes ficam na casa do guerreiro, matando e devorando seus porcos, bois e cabras, dormindo com suas escravas e organizando banquetes infinitos que consomem as riquezas da família.

Explicar a importância da epopéia de Ulisses para a literatura mundial é dizer porque Marx foi importante para o comunismo, ou imaginar que Chuck Berry, Elvis e os Beatles formasse uma só banda seminal para o rock ‘n’ roll. Para ficar em alguns exemplos, James Joyce estruturou seu clássico “Ulysses” em cima da Odisséia e Camões e Virgílio escreveram suas principais obras seguindo as tradições homéricas. Grande parte dos mitos, lendas, e pensamentos ocidentais têm sua base na “Ilíada” e na “Odisséia”. Vejamos, um homem injustiçado volta para se vingar de quem lhe roubou (ou tentou) os bens e o amor. Uma idéia genial do francês Alexandre Dumas em “O Conde de Monte Cristo”? Bem, o arquétipo da vingança clássica já estava escrito na terceira parte da “Odisséia”. Na mesma parte observa-se o mito da entidade fantástica que se disfarça de mendigo e testa a bondade das pessoas. Não é assim em “A Bela e a Fera” ou nas pregações bíblicas? É assim também que Ulisses volta para a casa e reconhece a fidelidade de seu servo Eumeu, o porqueiro, e a traição da escrava Melanto, que dormia com um dos pretendentes. Quando desce ao reino dos mortos, Ulisses se depara com diversas figuras do imaginário grego, entre elas o heróis de tróia Ájax e a mãe de Édipo, Epicasta, que depois serviria de base para a clássica teoria de Freud, o pai da psicanálise. Na Rapsódia VIII são descritos os esportes gregos como o pugilato, o salto, a corrida, o arco e flecha e o arremesso do disco, base das Olimpíadas. Segundo o narrador “(…) não há maior glória na vida para um homem do que alcançar alguma vitória com os pés e com as mãos”.

A narrativa homérica é marcada pela repetição de algumas formas e trechos. As palavras que tem resposta são “aladas”, os homens valorosos são “semelhantes a um deus”. O nome de Zeus vem sempre sucedido de “Filho de Cronos” e a manhã é anunciada pela chegada da “madrugadora Aurora dos róseos dedos”. Em diversos momentos Homero trata da arte dos aedos – responsáveis por recitar em versos os feitos dos heróis aqueus, antepassados dos gregos – e de sua capacidade de prender a atenção dos ouvintes em uma história empolgante, fazendo uma referência a sua própria arte de recitar a “Odisséia”, poema de origem oral. Vale lembrar, também, que a estrutura final da obra não é linear. Séculos antes de “Pulp Fiction” virar referência na narrativa do cinema, o poema de Homero é repleto de flashbacks, histórias paralelas e mudanças de protagonista – apesar de Ulisses ser o herói e ponto de união de toda obra.

A ligação com a “Ilíada” também é recorrente, aparecendo na saga alguns dos heróis da epopéia anterior como Nestor, Menelau e as almas de Agamémmon e Aquiles. Penélope faz oposição a Helena, no papel da esposa fiel, resistente a todas as provações

Enfim, leia a “Odisséia”. Tanto se você tem um interesse acadêmico na literatura, quanto se você gosta de História, ou mesmo se você é apenas fã de uma boa história de aventura – aficionados por sagas como “Senhor dos Anéis” e “Star Wars” terão um prazer homérico em mergulhar na saga de Ulisses. Só pelo fato de você estar lendo este texto em português, você já é um dos milhões de influenciados pela cultura que deu origem aos versos do genial poeta que talvez nunca tenha existido.

Personagens:
Odisseu/Ulisses: herói da guerra de Tróia.
Penélope: esposa de Ulisses
Telêmaco: filho de Ulisses e de Penélope
Laertes: pai de Ulisses, vive no campo.
Eumeu: porqueiro, servo fiel de Ulisses,
Euricleia: ama de confiança
Antino: líder dos pretendentes o mais malvado de todos
Eurimaco: um dos pretendentes
Alcino: rei dos feácios, hábeis navegantes
Areta: esposa de Alcíno
Nausíca: filha de Alcino, se apaixona por Ulisses
Laodamante: irmão de Nausíca, desafiador de Ulisses nos jogos.
Baio: companheiro de Ulisses nas viagens marítimas
Euríloco: companheiro de Ulisses nas viagens marítimas
Perimedes: companheiro de Ulisses nas viagens marítimas
Elpenor: companheiro de Ulisses nas viagens marítimas
Atena: deusa que intercede a favor de Ulisses
Poseidon ou Posídon: irmão de Zeus, intercede contra Ulisses
Éolo: rei e deus dos ventos
Hades: deus do mundo subterrâneo
Hermes: mensageiro dos deuses
Polifemo: ciclope ferido por Ulisses devorou parte de seus companheiros

– Compre o livro

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...