Com elogiado clipe em animação, “De Bolso” lança “Envelhecer”, seu primeiro disco.

A banda é nova,  clipe e disco acabaram de sair do forno, mas já vem ganhando elogios e divulgação em veículos como Play TV (onde o clipe de “Esquina” estreia nesse domingo, às 20:30h) Miojo Indie, PdH e Moozyca

A “De Bolso” é uma banda formada, em São Paulo, por Diego Bravo (percussão e vocais), Fred Rocha (baixo, voz e cavaco), Karin Hueck (voz e teclados) e Tiago Van Deursen (voz, violão e gaita)

Assista ao belo clipe de “Esquina”– uma animação do artista mineiro Alisson Lima:

O disco

“São oito composições que flutuam com delicadeza entre a MPB dos anos 1970 e o folk. Um material essencialmente delicado, preciso.”, Miojo Indie

Com influências variadas que vão dos uruguaios do Perota Chingó até Novos Baianos, passando pelo punk rock, mpb e samba clássico, o grupo ficou em estúdio por quase dois anos gravando com o produtor Gabriel Nascimbeni (do disco “Cidade dos Pescadores“), no Trampolim Estúdio. A mixagem foi feita por Fábio Barros e a masterização por Arthur Joly, do RecoHead Records. “Envelhecer” conta ainda com a participação da cantora Ericah Pereira, na suingada “Cantar de Pássaro“, e com os metais de Gustavo Vellutini em “Esquina”, “Gaiola” e “Quatro Horas“. A mistura de instrumentos (charango, cavaco, violão, baixo, gaita, trompete, tuba, teclados, cajon, bateria e muita percussão) dá uma ideia do clima do disco.

Encontros e desencontros
“Eu e o Tiago começamos a nos reunir no  apartamento onde eu morava, no Largo da Batata, pra fazer um som e tocar músicas que não eram nem samba o suficiente pra banda dele, nem rock o suficiente pra minha. Um dia, a Karin tava vendo a gente ensaiando e o Tiago chamou ela pra tocar um piano em uma música. E aí viramos um trio que tocava com cavaco, violão e um teclado de iniciante em um apartamento de um quarto. Por isso DeBolso”, conta Fred.

Pra completar a banda, ele convidou um colega da universidade Unesp-Bauru, Diego Bravo, que tocava numa banda de eletrônico, chamada Strange Music. “Ele entrou pra tocar percussão e aí começamos a compor pra caramba e fazer alguns shows entre 2011 e 2012”, afirma.

Entre alguns shows intimistas, a banda abriu show para o Marcelo Perdido e Hidrocor no Cafofo, em Pinheiros, e tocou em um evento do Zona Punk, no centro. Mas em 2013, Fred e Karin pediram demissão de seus empregos e foram morar em Berlim. “A Banda ficou meio parada, mas o Tiago continuou compondo. A música ‘Esquina’ é dessa época”, conta.

Gravação do disco "Envelhecer"

Gravação do disco “Envelhecer”

Ouça o disco “Envelhecer” completo:

– Spotify:
https://play.spotify.com/artist/1zLViYnVi3Own0KpwNgC8R?play=true&utm_source=open.spotify.com&utm_medium=open

– Soundcloud:
https://soundcloud.com/abandadebolso

Sinestesia sonora: “Sgt. Pepper’s Lonely Hearts Club Band” – Beatles, 1967.

Texto originalmente publicado no jornal laboratório da Unesp-Bauru, Contexto, em agosto/2004

A famosa capa do disco reunia diversas personalidades famosas


Sinestesia Sonora

Comprei um ácido com desenho de uma banda colorida, Karl Marx, Marilyn Monroe, Huxley e um monte de gente famosa. Espetei-o com a agulha e tudo se pôs a girar. Ouvi um ruído. Ecos rascantes e energia tomaram o meu corpo. Cheiro forte de pimenta e uma canção de amor cadenciada. Vermelho. Olhos de diamantes observam um céu de marmelada. A trip desacelera e os sentidos se embaralharam, está tudo melhor, azul e lento. Meu corpo sonolento dança seguindo o ritmo de uma orquestra psicodélica. Sinto-me triste pela garota que se vai, mas o clima muda. Pareço estar num show fantástico, com música de circo e sons mágicos vindos de uma caixinha de música.

A melodia pára. Quando a agulha espeta novamente, estamos na Índia e uma cítara adocicada me faz flutuar. Uma melodia antiga, pontuada por sinos e cheirando a cabarés esfumaçados, leva a pergunta: como vou estar com 64 anos? A energia volta verde. Gritos na minha cabeça e um flashback começa. De volta para os uniformes coloridos e cheiro de pimenta. O vermelho agora é rosa, me acalmo, alguns ruídos surgem espontâneos. Notícias no jornal. O ruído aumenta, tudo parece que vai explodir. Mas a viagem acaba. Apenas mais um dia na vida.

Leia também:
-Conheça a autobiografia do guru do LSD Timothy Leary
-Confira entrevista exclusiva com Arnaldo Baptista dos Mutantes 

Os Beatles em ensaio feito para o encarte do disco

“Singin’ Alone”: Disco independente dá graça a tristeza profunda de Arnaldo Baptista

“Não sei se tenho o rei na barriga, mas um frango não faz mal”. Arnaldo Baptista.

Arnaldo Baptista estava numa pior quando gravou o disco “Sigin’ Alone” no final de 1981 e inaugurou as gravações indies no Brasil. Fazia um bom tempo desde que ele tinha lançando o genial “Loki?”, em 1974, mais dois discos com a Patrulha do Espaço no final dos anos 70.  A volta a ativa seria o show “Shining Alone”, organizado com a ajuda de Luis Calanca, da Baratos Afins, que criaria sua gravadora independente só pra lançar o trabalho de Baptista. Os Mutantes e Rita Lee já eram passado e Arnaldo tinha entrado fundo em drogas e depressão. O show deu origem ao disco “Singin’ Alone”, no qual Arnaldo gravou todos os instrumentos. (Como Paul McCartney fez em seus dois primeiros solos). Antes de lançar o disco, nosso anti-herói passou pela famosa (e triste) internação em um hospital psiquiátrico de onde saiu caindo de uma janela do terceiro andar e entrando em coma por três meses.

A obra foi lançada em vinil em 1982 e teve um reedição em cd  nos anos 90 – atualmente fora de catálogo. O disco é bem menos pop que o trabalho com os Mutantes, e segue o tom melancólico de outros solos do artista, em belas músicas como “O Sol” e “I Fell in Love One Day”. Arnaldo faz uso de todos seus trocadilhos geniais para dar graça a dor pulsante. Quer fotografia mais precisa de um gênio sem dinheiro que a frase que abre essa resenha: “Não sei se tenho o rei na barriga, mas um frango não faz mal”?

-Entrevista exclusiva com Arnaldo Baptista sobre “Lóki?” e a tristeza
-Leia resenha do disco publicado no “Mofo”.

Faixa a faixa:
Lado A
01. I Feel In Love One Day
02. O Sol
03. Bomba H Sobre São Paulo
04. Hoje de Manhã Eu Acordei
05. Jesus, Come Back To Earth
06. The Cowboy

Lado B
01. Sitting On The Road Side
02. Ciborg
03. Corta Jaca
04. Coming Through The Waves of Silence
05. Young Blood
06. Train

Uhuuu! – Cidadão Instigado

cidadaoinstigado-uhuuu-capa

Em Bauru, lá por 2005, o Cidadão Instigado era pra mim a banda do mantra “Lá fora tem um lugar que me faz bem e eu vou lá”.

Em 2006 e 2007 fui a vários shows da banda em São Paulo. Eu era novo na cidade cinza e aquele era um som novo pra mim. Foi minha banda favorita e a banda favorita do Gabes, guitarrista do Milhouse, por um tempo. Compus “De que vale um real”, no meio de um show deles, se não me engano no Graze a Dio. E pedi uma autógrafo no minha edição de “O Método Tufo de Experiência”, disquinho amarelo que continha os clássicos “O Tempo”, “O pobre dos dentes de Ouro”, “Te Encontrar Logo”, entre outras.


E agora estou com “Uhuuu” novo disco dos caras nas minhas mãos. Lembro de ter encontrado o batera do Cidadão Instigado no ponto de ônibus e ele disse que eles estavam finalizando a bolachinha. Não tive a mesma surpresa que tive ao ouvir o “Método Tufo”, mas é um bom disco com mais ruídos eletrônicos, o antigo namoro com o brega e pitadas de rock aqui e ali, especialmente nos solos floydianos do Catatau – um dos melhores guitarristas de nossos tempos, vale lembrar. Estão lá também os títulos de letras doidões como “Deus é uma viagem” e “O Cabeção”

De novidade tem o velho. Ou melhor, a velha guarda do BRock nacional participando. Arnaldo Antunes (“Doido” “O Cabeção”), Edgar Scandurra(“Dói”) e Hugo Hori(metais em várias faixas).

Quando alguém me pergunta: “tem alguma banda boa hoje em dia no Brasil”. Eu sempre digo “pô, tem o Cidadão Instigado”. É, “Uhuuu!” me permite continuar dizendo “pô, tem o Cidadão Instigado”.

-Myspace do Cidadão Instigado

“Mais podres do que nunca”, como primeiro disco dos Garotos Podres se tornou o álbum independente mais vendido no Brasil

Capa do clássico disco "Mais podres do que nunca"

Capa do clássico disco “Mais podres do que nunca”

por Fred Dio Giacomo
-Leia entrevista exclusiva com os Garotos Podres

Na capa um menino saudável brinca com uma mamadeira, na contra um pequeno africano desnutrido chora esperando a morte chegar. Mais Podres do que Nunca, produzido pelo Redson (Cólera), primeiro disco de Oi! do Brasil, é um clássico do rock brazuca. Todos citam “Dois” do Legião Urbana, “Nós Vamos Invadir Sua Praia” do Ultraje à Rigor ou, “para quem curte um som mais agressivo”, “Cabeça Dinossauro” dos Titãs, mas se esquecem dessa pérola tosca que vendeu mais de 50.000 cópias independentes, ganhou as rádios rock com “Johnny” e “Vou fazer cocô” e ainda cravou dois clássicos no punk nacional: “Papai Noel, Velho Batuta” e “Anarquia Oi!”.

Aqui não há nada que lembre o punk cheiroso de CPM22 e Blink 182, a produção é suja, os instrumentos amadores, a gravação era pra ser uma demo, mas acabou virando disco independente “devido ao resultado surpreendente” pra época. Três faixas gravadas nunca foram lançadas devido à péssima qualidade, as 11 que ficaram trazem a marca dos Garotos Podres; punk simples, mais lento e candenciado que o feito por seus contemporâneos (Ratos de Porão, Olho Seco, Cólera…) e letras críticas/ sarcásticas carregadas de humor negro. Afinal, quem nos dias de hoje teria a manha de fazer uma letra como a de “Papai-Noel”: “Papai- Noel, filho da Puta/ Rejeita os miseráveis/ Eu quero mata-lo/ Aquele porco capitalista/ Presenteia os ricos/ Cospe nos Pobres.” Ou “Vou fazer cocô”: “Enquanto você, de paletó e gravata/ Aparece na tv/ E diz coisas que eu não consigo entender/ O que que eu faço?/ Vou fazer cocô.” Não, não, muito sujo, politicamente incorreto, prejudicaria as vendas. Rock sem esse espírito de contestação tem o mesmo valor que axé. Mesmo porque, tanto faz ter na rádio É o Tchan e Art Popular ou LS Jack e B5. O lixo é o mesmo, aí talvez até seja melhor o Tchan porque é lixo 100% nacional, os caras das “bandas de pop/rock” de hoje em dia ainda tem a moral de copiar lixo dos gringos. Cada país tem a trilha sonora que merece…

-Leia resenha do disco “Pela Paz em Todo Mundo”, do Cólera

-Leia resenha do disco “Camisa de Vênus”

Bom, voltando aos Garotos Podres, seu disco de estréia gravado em 1985 e relançado com a música “Meu Bem” (uma daquelas 3 que tinham ficado “péssimas”) é o retrato dos anos 80, conturbados, marcados pelo fim da ditadura (que censurou duas faixas do disco), pelas greves de metalúrgicos (ali perto dos Garotos que são do ABC) e pela hegemonia do Brock. Uma história retratada nas 11 faixas desse disco. Uma curiosidade é a música Füher (“Os imundos querem dominar o mundo, com o poder de suas armas/ Sob suas estrela maldita/ Fanáticos religiosos, assassinos malditos/ Eu quero mata-los”). A letra acabou gerando acusações aos Garotos Podres (socialistas) de nazismo. Essa acusação ainda ecoa nos meios anarcopunks. Em uma entrevista concedida a mim por e-mail, Mau explica o assunto. “A intenção da música é colocar no mesmo saco os nazistas e a extrema direita israelense que defende a matança indiscriminada e a deportação em massa dos palestinos”. E a história segue dezoito anos depois do lançamento do disco, os palestinos continuam sendo massacrados pela extrema direita israelense e os Garotos Podres ainda são uma das poucas bandas interessantes do rock nacional…

ÁLBUM: Mais podres do que nunca.
ARTISTA: Garotos Podres
ANO: 1985

GRAVADORA: Independente(Rocker)

-Mais punk rock aqui!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...