Chico Science – Galeria de Anti-Heróis

Uma imagem fala mais que mil segunda-feiras

Chico Science revolucionou a música brasileira inventando o Mangue Beat

 Chico Science (1966 – 1997): compositor, músico e um dos criadores do movimento Mangue Beat. Influenciou quase todas bandas brasileiras dos anos 90 e deixou dois discos gravados antes de sua morte prematura: “Da Lama ao Caos” e “Afrociberdelia”.

Veja também:

-Outros heróis desse site

-Mais música maestro

Lula, filha de Chico Science, canta “Do Sal e Sol eu sou” dos Afrobombas – novo projeto de seu sogro Jorge Du Peixe (Nação Zumbi)

Lula, a charmosa filha de Chico Science

Quantas referências familiares num título só, né? Bom, vamos explicar as coisas: Louise Taynã – mais conhecida por Lula – é a filha do finado Chico Science (cantor, compositor e líder do movimento mangue beat) e também namorada de Ramon Lira (o filho de Jorge Du Peixe, ex-parceiro musical de Science e atual vocalista da Nação Zumbi). Os três fazem parte da banda Afrobombas que lançou, este ano, seu primeiro single “Do Sal e Sol eu sou” (ouça abaixo).

Os Afrobambas fazem um som suingado (destaque pro belo baixo) e em seus shows tocam músicas inéditas e composições de Jorge Du Peixe gravadas por outros músicos (como “Passione“, registrada por Junio Barreto na trilha do filme “Febre de Rato” )

Além da família “Science/Du Peixe”, integram os Afrombombas: André Édipo (guitarra), Thiago Duar (baixo), Pernalonga (bateria), Dalua (percussão) e Guizado (trompete/eletrônicos).

Ouça, baixe ou roube a música “Do Sal e Sol eu sou”, dos Afrombombas:

 

João Gordo canta com Chico Science e Nação Zumbi no “Bem Brasil”, 1996

Em 1996, Chico Science e Nação Zumbi lançaram o clássicaço “Afrociberdelia”. como você bem sabe. Pra divulgar o lançamento fizeram um show no programa “Bem Brasil” da TV Cultura, que contou com a participação de Arnaldo Antunes, Samuel Rosa, Fred 04 e João Gordo. Nessa época a Nação Zumbi tinha um pout-pourri “heavy metal” no show que incluía “Lixo do Mangue”, “Enquanto o Mundo Explode” e “Da Lama Ao Caos/Refuse Resist” (tudo registrado no disco ao vivo “CSNZ”). No show exibido no Bem Brasil, João Gordo participa de “Enquanto o mundo explode” e “Da Lama ao Caos/ Refuse Resist”.

Aliás, dá pra encontrar o show inteirinho no Youtube.

Veja também:
-João Gordo e Sepultura tocando “Holiday in Cambodia”
-Entrevista exclusiva com João Gordo

Muito antes da Nação Zumbi: ouça as gravações inéditas de Chico Science e Loustal

Chico Science, o guitarrista Lucio Maia e sua banda Loustal

Chico Science, o guitarrista Lucio Maia e sua banda Loustal

Sempre quis ouvir as gravações originais das primeiras bandas de Chico Science, pré-Nação Zumbi (Orla Orbe e Loustal). Fiquei feliz pra caracoles ao ver no excelente blog RockinPress que muito desse material foi liberado pelo DJ Elcy. É animal observar a evolução de canções só gravadas no segundo disco da banda, (“Afrociberdelia”) como “Etnia” (uma fusão de hip hop com guitarras e bateria simulando caixa de maracatu) e “Manguetown”, um ska com guitarras fortes e precedida de uma introdução futurista, com Chico recitando o poeta inglês William Blake . Vale muito pra quem se interessa pela história do mangue beat, do rock brasileiro e por Chico Science – um dos frontmans mais carismáticos que os palcos desse país já viram e letrista talentosíssimo.

“Manguetown” – Chico Science e Loustal

“Improviso Samba-Reggae” – Chico Science e Loustal

“Etnia” – Loustal

20 melhores discos nacionais dos anos 90 – Showbizz

Capa da edição da Bizz que listava os 100 melhores discos da década de 90

Em 1999, a minha revista favorita era a Showbizz.(Sim, naquele tempo a clássica Bizz tinha mudado de nome). Como a internet discada (???)  era uma carroça, era na Showbizz que eu acompanhava o que rolava na música, descobria discos novos e lia entrevistas com os ídolos nacionais e gringos.

Com esse revival dos anos 90 que está pintando, resolvi resgatar esse top 20 dos discos nacionais daquela década. Ele foi publicado numa revista com o aviso “edição histórica” (número 172)  e a foto do rosto de Kurt Cobain estourada na capa P&B.

1) “Raimundos” (1994) – Raimundos

2) “Calango” (1994) – Skank
calango-skank-capa

3) “Samba esquema noise” (1994) – mundo livre s/a

4) “Roots” (1996) – Sepultura
Sepultura_-_Roots-capa

5) “… Cor-de-Rosa e Carvão” (1994) – Marisa Monte

cor-de-rosa-e-carvao-marisa-monte

6) “Manual Prático para festas, bailes e afins” (1997) – Ed Motta


7) “Da Lama ao Caos” (1994) – Chico Science & Nação Zumbi

8 ) “Sobrevivendo no Inferno” (1997) – Racionais MC’s

9) “Usuário” (1995) – Planet Hemp

10) “Hey Na Na” (1997) – Paralamas do Sucesso

11) “Preste Atenção” (1996) – Thaíde & DJ Hum
12) “Eu e Memê, Memê e Eu” (1995) – Lulu Santos
13) “Sobre todas as forças” (1994) – Cidade Negra
14) “Bebadosamba” (1996) – Paulinho da Viola
15) “Samba pra Burro” (1998) – Otto
16) “Gol de Quem?” (1995) – Pato Fu
17) “Na calada da noite” (1990) – Barão Vermelho
18) “Rappa-Mundi” (1996) – O Rappa
19) “Mamonas Assassinas” (1995) – Mamonas Assassinas
20) “O descobrimento do Brasil” (1993) – Legião Urbana

Outras listas:
-5 discos injustiçados do rap nacional
-6 disco para começar a ouvir jazz
-10 melhores discos dos anos 2000

Melhores discos nacionais dos anos 90 – Top 5 (6)

Os cinco discos brasileiros que mais me marcaram quando eu tinha entre 12 e 15 anos(96-99):

1) Afrociberdelia – Chico Science e Nação Zumbi.

afrociberdelia-capa
Quando eu tinha 12 anos Chico Science ainda estava vivo e começava a ficar conhecido. Ouvi “Maracatu Atômico” até riscar o disco e criei um fanzine com o nome do disco em 1997

2)Roots – Sepultura
Sepultura_-_Roots-capa
Comecei a gostar de som pesado por causa de Roots. Ele e “Afrociberdelia” definiram os limites dos meus horizontes musicais: não ter limites, já que os caras misturavam trash metal com Carlinhos Brown e cantos indígenas.

3)Guentando a Ôia – mundo livre s/a
mlsa_gaoia

Fazendo uma análise sem muita precisão técnica, esse é o melhor disco do Fred 04 pra mim. Foi o primeiro que eu tive e o que mais ouvi até hoje. Conheço de cor e salteado as altenâncias entre cavaquinho e guitarras envenenadas e decorei todas as letras engajadas/psicodélicas.

4)Feijoada Acidente? – Ratos de Porão
feijoada-acidente-anos-90-capa
Pra mim é o melhor disco de punk rock nacional da história. Mudou minha vida. Depois desse disco rasguei a calça, espetei o cabelo, aprendi a tocar 3 acordes no baixo e virei punk

5)Usuário – Planet Hemp & Sobrevivendo no Inferno – Racionais Mc’s
usuario-planet-hemp-caparacionais-capa-sobrevivendo-inferno

Nunca consigo fazer Top 5 com cinco, sempre tenho que enfiar um bônus no meio. “Usuário” do Planet Hemp era o som de “maloqueiro” muito melhor que Charlie Brown Jr de hoje. “Mantenha o respeito” e “Legalize Já” eram hits fortes que tocavam em todos os lugares. E as linhas de baixo eram simples e boas. Excelentes para um iniciante como eu. “Sobrevivendo no Inferno” foi outro tapa na cara. Lembro de ficar ouvindo quietinho, só prestando atenção nas letras, como se fosse alguém me contando a história. A partir daí virei fã de rap.

-Confira a lista da Bizz com os 20 melhores discos dos anos 90

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...