Livro em formato de disco, “Canções para ninar adultos” será lançado dia 25/10 na Vila Madalena

“Ninguém contará os anos desprendidos até ali. Não importa. Mirem-se naquele ponto cinza aproximando-se contra a luz. A figura que caminha em nossa direção trata-se do velho pai. A brancura de sua barba já não pode ser disfarçada, suas costas curvam-se sutilmente e os olhos traem a percepção. Ele não sabe, mas está prestes a iniciar nossa saga.” (Gênesis, Fred Di Giacomo)

Convite do lançamento

Será um livro, será um disco, será um amontoado de caôs?

Calma, querido leitor, é só meu primeiro livro saindo do forno. “Canções para ninar adultos” será lançado dia 25/10 às 19h no Bar Canto Madalena – Rua Medeiros de Albuquerque, 471 – São Paulo – SP. Já dá, inclusive, para encomendá-lo na pré-venda no site da Editora Patuá.

“Canções” reúne 22 contos divididos, como num disco de vinil, em lado A e lado B. No final do livro, eu recomendo uma listinha de músicas para acompanhar os contos.

A orelha foi soprada pelo escritor e jornalista Xico Sá. Vejam um trechinho:

“Todo cuidado é pouco, senhoras & senhoritas,“Canções para ninar adultos” é obra de um tarado. Um leitor-escritor tarado, capaz de trazer para o jogo da narrativa o jeito tranquilo do matador Chester Himes e a viagem sem fim de Céline. (…)

Um escritor-leitor taradíssimo, rápido nos diálogos como um devasso de pornô-chat que alcança o paraíso. Na literatura, só os tarados têm o direito de tocar os leitores. O resto é chatice com solenidade mofada.(…)

Legal, né? Espero vocês todos no lançamento!!!

-Notícias sobre “Canções para ninar adultos” no blog oficial

Ilustração do livro "Canções para ninar adultos" recria a capa do primeiro disco dos Ramones com os escritores malditos Poe, Ginsberg, Bukowski e Nélson Rodrigues no lugar dos pais do punk

“Houve um tempo em que havia uma esperança: a música tinha Bob Dylan e os Beatles estavam parando de cantar canções de menininhas para tentar mudar o mundo. O homem tinha chegado a Lua, os estudantes tomavam as ruas de Paris, o cinema estava se tornando arte.”
(“Amor nos Tempos de Aids, Fred Di Giacomo)

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload CAPTCHA.